quinta-feira, maio 25, 2017

Dia da Espiga ou Quinta - Feira da Espiga

 A Quinta-feira da Espiga é uma comemoração popular, tradicional de Portugal, que ocorre no dia da Quinta-Feira da Ascensão. Esta celebração ocorre 40 dias após a Páscoa. Em vários municípios de Portugal a Quinta-feira da Espiga é feriado municipal.

A Festa da Ascensão, conhecida também como Quinta-Feira da Ascensão ou apenas como Ascensão comemora a Ascensão de Jesus ao céu. É uma das festas ecuménicas, ou seja, uma das que são comemoradas por todas as igrejas cristãs, juntamente com as celebrações da Semana da Paixão, da Páscoa e do Pentecostes. Na Igreja Católica é conhecida também como Solenidade da Ascensão do Senhor.

O "Dia da espiga" ou "Quinta-feira da espiga" celebra-se em algumas localidades com um passeio matinal pelo campo, onde rapazes e raparigas, colhem espigas de vários cereais (trigo, centeio ou cevada),  em número ímpar, flores campestres (como papoilas, malmequeres ou flores de romãzeira) e raminhos de oliveira para formar um ramo, a que se chama de espiga.
Segundo reza a tradição, o ramo deve ser colocado por detrás da porta de entrada de casa, e só deve ser substituído por um novo, no dia da espiga do ano seguinte, para que nela haja pão, azeite, dinheiro e alegria durante todo o ano.
Os ramos da espiga são simbólicos da fecundidade da terra e da alegria de viver: as espigas, geralmente de trigo, simbolizam a abundância (ou o pão), as papoilas, rosas, margaridas e malmequeres, a beleza, e o ramo de oliveira, a paz.
O Dia da Espiga é comemorado sobretudo no Centro e Sul do País. Pensa-se que terá uma origem pré-cristã e marca, de certa forma, o início da época das colheitas.
Outros acreditam que este costume tenha as suas raízes num antigo ritual cristão que consistia na bênção dos primeiros frutos. Mas, as suas características permitem adivinhar origens mais remotas, muito provavelmente em antigas tradições pagãs associadas às festas em honra da deusa Flora que ocorriam por esta altura e às quais se mantém ligada a tradição dos Maios e das Maias.

O Dia da Espiga é considerado "o dia mais santo do ano", um dia em que não se devia trabalhar.
Por isso,  antes de ser assinalado como feriado municipal, em algumas localidades era já dia de descanso.
Era chamado o "dia da hora" porque havia uma hora, o meio-dia, em que tudo parava. Dizia-se nas aldeias do sopé da Serra do Montejunto que "na quinta-feira de espiga há uma hora em que os pássaros não vão aos ninhos, as águas dos ribeiros não correm, o leite não coalha e o pão não leveda".
Em Atouguia "o leite não se vende, todo ele é dado". Noutras localidades "não se faz pão em quinta-feira de espiga" e noutras tantas coze-se nesse dia pão "para guardar o ano inteiro".
Era nessa hora , o meio dia, que se colhiam as plantas para fazer o ramo da "espiga" e também se colhiam as ervas medicinais. Em dias de trovoadas queimava-se um pouco da espiga no fogo da lareira para afastar os raios.

Cada um dos elementos do ramo da espiga simboliza um desejo:
- A espiga - que haja pão (isto é, que nunca falte comida, que haja abundância em cada lar);
- O ramo de folhas de oliveira - que haja paz (a pomba da paz traz no bico um ramo de oliveira) e que nunca falte a luz (divina). Antigamente as pessoas alumiavam-se com lamparinas de azeite, e o azeite faz-se com as azeitonas, que são o fruto da oliveira.
- As flores (malmequeres, papoilas, etc.) -  que haja alegria (simbolizada pela cor das flores - o malmequer ainda «traz» ouro e prata, a papoila «traz» amor e vida e o alecrim «traz» saúde e força.

Hoje em dia, nas grandes cidades, as pessoas já não vão colher o Ramo da Espiga, mas há quem os venda, tendo-os colhido e atado, fazem negócio com a tradição, ajudando, contudo, a preservá-la.

quarta-feira, maio 24, 2017

Foz Côa: Património Mundial da Humanidade

 A série documental "Património Mundial" (da RTP 2) reúne 14 filmes sobre edifícios e paisagens portugueses classificados pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade.
Das vinhas da Ilha do Pico, nos Açores, ao Mosteiro da Batalha, passando, pelos Jerónimos e pelo centro histórico de Guimarães, esta série cobre parte do que de melhor existe em Portugal em património histórico construído e em paisagem natural.
Vila Nova de Foz Côa, ou Foz Côa, é uma cidade portuguesa, pertencente ao distrito da Guarda, Região Norte de Portugal, com cerca de 3 100 habitantes.
O Parque Arqueológico do Vale do Côa é considerado como "um dos mais importantes sítios de arte rupestre do mundo e é o mais importante sítio com arte rupestre paleolítica de ar livre". Aqui foram identificados cinco dezenas de núcleos de arte, ao longo dos últimos 17 quilómetros do Rio Côa, até à sua confluência com o Douro.
Estes núcleos apresentam gravuras datadas, na sua maioria, do Paleolítico superior (mais de 10.000 anos antes do presente) mas o vale guardou também exemplos de pinturas e gravuras do Neolítico e Calcolítico, gravuras da Idade do Ferro e dos séculos XVII, XVIII, XIX e XX, altura em que os moleiros, os últimos gravadores do Côa, abandonaram o fundo do vale.
Os concelhos de Foz Côa, Meda e Pinhel compartilham vestígios de arte rupestre do Vale do Côa/Parque Arqueológico.
Se quiser ficar a conhecer melhor mais este pedacinho de Portugal, não deixe de ver o vídeo abaixo, com mais um episódio de Património Mundial.
Vale bem a pena. Não deixe de ver!

terça-feira, maio 23, 2017

Sete grandes mistérios da história de Portugal

Ao longo de 900 anos, a História de Portugal está repleta de mistérios, intrigas, desaparecimentos, mortes, etc.
Que os portugueses já sabiam da existência do Brasil antes do tratado de Tordesilhas e que Cristóvão Colombo era português não são novidades, agora o resto...
Veja clicando aqui, os 7 grandes mistérios da História de Portugal.
Não sei, contudo, se estaremos todos de acordo. Mas, vale a pena conhecer estas perspectivas...

segunda-feira, maio 22, 2017

Uma versão radiofónica do Google Earth.

É impressionante!
Veja, clicando aqui, uma versão radiofónica do Google Earth.

Basta movimentar o globo para ouvir rádios que fazem streaming em todo o mundo.
Quem quiser ouvir notícias de um acontecimento importante, em qualquer parte do planeta, ou de uma catástrofe, e perceber a língua da emissão, pode sintonizar e ouvir em directo.
Há, contudo, zonas pouco cobertas, como na África (experimentei Namíbia, Malawi e África do Sul) e Ásia, mas a América do Sul tem melhor cobertura (experimentei Colômbia, Venezuela, Cuba e Brasil). A indicação da cidade e estação facilita a identificação da fonte (veja o tutorial no vídeo abaixo).
Não deixe de experimentar!
Vale bem a pena!

domingo, maio 21, 2017

Um Dicionário Que É Uma Relíquia

Deixo-lhe aqui hoje, um dicionário que é uma relíquia.
Um dicionário de Português - Kimbundu, publicado na Huíla (em Angola) datado de 1907, da autoria de um médico da armada real portuguesa, explorador e naturalista.
Com 110 anos de existência é uma antiguidade e uma verdadeira relíquia para a cultura geral. Se o quiser consultar basta clicar aqui.
O kimbundu, quimbundo, dongo, kindongo, loanda, mbundu, loande, luanda, lunda, mbundu, n'bundo, nbundu, ndongo ou mbundu do norte é uma língua africana falada no noroeste de Angola, incluindo a Província de Luanda.
O kimbundo é uma das línguas bantas mais faladas em Angola, sendo uma das línguas nacionais. O português conta com muitos empréstimos lexicais desta língua obtidos durante a colonização portuguesa do território angolano e através dos escravos angolanos levados para o Brasil. É falada por cerca de 3 000 000 de pessoas em Angola como primeira ou segunda língua, considerando, também, 41 000 falantes do dialecto ngola.
Uma obra com muito interesse que vale a pena consultar!

sábado, maio 20, 2017

Identidade

 Matei a lua e o luar difuso.
Quero os versos de ferro e de cimento.
E em vez de rimas, uso
As consonâncias que há no sofrimento.

Universal e aberto, o meu instinto acode
A todo o coração que se debate aflito.
E luta como sabe e como pode:
Dá beleza e sentido a cada grito.

Mas como as inscrições nas penedias
Têm maior duração,
Gasto as horas e os dias
A endurecer a forma da emoção.
Miguel Torga

sexta-feira, maio 19, 2017

O Mapa Hipsométrico de Portugal

Sabe o que é um mapa hipsométrico?
Um mapa hipsométrico é um mapa que caracteriza o relevo através de curvas de nível, reduzidas ao nível médio das águas do mar, com o intervalo de altitudes discriminadas com diferentes cores.
Se observar com atenção o vídeo abaixo, verificará que desde as zonas mais costeiras, onde se encontram os locais que compreendem as altitudes entre os 0 e os 50 metros, até aos pontos mais altos de Portugal Continental, que atingem valores entre os 1.600 e os 2.000 metros de altitude, perceberá que existem contrastes no relevo do nosso território, entre o Sul e o Norte e entre o Litoral e o Interior.
Ora veja! Não perca a oportunidade de conhecer melhor o nosso país!